quarta-feira , junho 28 2017
Home / Justiça / Que venham as máquinas para derrubar prédio inservível

Que venham as máquinas para derrubar prédio inservível

aristiliano

Em 30 de setembro de 2015, o  juiz Jaime Machado Júnior, da Vara da Fazenda de Lages, derrubou a liminar que impedia a demolição do colégio Aristiliano Ramos.

Porém o Ministério Público recorreu da decisão, o que significou que o governo só poderia derrubar o prédio após a decisão chegar à instância final ou o prazo para recursos se esgotar.

2ª Instância

Em julgamento realizado na 2ª Câmara de Direito Público do TJ-SC, no dia 12 último, o desembargador João Henrique Blasi manteve a decisão de 1ª Instância, que dá ao Governo do Estado o direito de demolir o velho predio, que não tem mais serventia alguma e é considerado por engenheiros apenas como um “trombolho”.

Diário Oficial

Desta forma, falta apenas a publicação no Diário Oficial para que tratores e marretas façam a demolição, proporcionando com que no projeto de revitalização do Centro Histórico de Lages seja finalmente colocado em execução.

 

Fonte: Procuradoria Geral do Estado SC

Sobre Milton Barao

Veja também

Carmen questiona no TSE redução Zonas Eleitorais

A deputada Carmen Zanotto participou de audiência com o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), …

2 Comentários

  1. juvencio

    Sem querer dar uma de mãe Dinah, mas logo a praça irá ter um monte de entulhos e um visual um pouco pior do que hoje, e mais uma promessa de obra que jamais terá fim, como todas as que ameaçaram fazer nos ultimos tempos.
    lembrem-se que “sempre dá pra piorar”.

  2. Nevio Filho

    Nosso amigo confrater Juvêncio pode estar com a razão, acompanho de longe perto do mar, as obras que vicejam na cidade e com certeza nos daríamos muito bem criando tartarugas, não possuímos a mínima vontade de realizar obras mais rápidas, como se tivéssemos muito tempo ou se vivêssemos 200 anos para vê-las prontas. Este alvoroço em derrubar o prédio equivale a uma sanha de por abaixo qualquer coisa que esteja em pé. E me preocupo em ter um terreno no centro, baldio, aberto, criando ratos, durante anos, até que esta empresa espanhola e esses recursos se materializem e comecem a construir algo. Infelizmente a nossa cultura da pressa e posterior irresponsabilidade joga por terra qualquer coisa que seja planejada ou seja usada como moeda eleitoral para daqui a 8 anos, data para começar esta praça. como mãe Diná já morreu e o oráculo de Delfos pode não ter existido, cabe-nos a inquietante dúvida, quem vai ser o pai da criança, Roberto Amaral, Coruja, Eliseu, Carmen, Pinho Moreira, não sabemos, só os céus dirão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *