quinta-feira , setembro 21 2017
Home / Economia / SC 424 intransitável pelo excesso de cargas

SC 424 intransitável pelo excesso de cargas

SC 4241

Rodovia liga município de Ponte Alta a Otacílio Costa e estrada está sem manutenção a oito anos. Mas diariamente é utilizada pelos caminhões da Klabin

Pode fazer asfalto com um metro de espessura, pode fazer pavimentação com cimento (como na Serra do Rio do Rastro), mas enquanto não for implantado um sistema de pesagem na SC 114 (Lages/Otacílio Costa), o problema vai continuar, mesmo o governo do Estado gastando cerca de 60 milhões na sua recuperação.

SC 4244

Pesagem carga

Mas o problema não é específico dessa rodovia, pois na SC 424 (Ponte Alta/Otacílio Costa), a situação é tão mais grave, ao ponto de se tornar praticamente intransitável. E a origem do problema é o mesmo da SC 114, ou seja, o excesso de carga dos caminhões que levam toras para a Klabin de Otacílio Costa.

SC 4247

Sem manutenção

A solução estaria na instalação de balanças, ao longo da SC 114 e da 424, sendo que para essa última o governo do Estado precisa também fazer a manutenção com maior freqüência, já que a ultima foi exatamente a oito anos atrás. E também acertar uma parceria com a multinacional, já que é a única empresa que utiliza e acaba com a estrada…

SC 4242

Fotos: Moradores desesperados

Sobre Milton Barao

Veja também

Infracea chegou “acontecendo” no Aeroporto. Ainda bem

Parabéns, pois essa é a diferença da administração pública para a privada, que tem poder …

4 Comentários

  1. Gabriel

    O certo mesmo é a klabin fechar as portas e ir embora da região, deixar centenas as mínguas. Quero ver como a região vai se virar.

  2. ANTONIO CARLOS CRUZ

    Gabriel as únicas MÍNGUAS, são pessoas como você! Pois saiba que nossa região serrana é um forte celeiro agrícola, tendo uma área muito grande de agricultura e pecuária. O correto é quem estragar com a estrada arrumar e não deixar intransitável. Se a empresa quiser fechar as portas e ir embora, como você falou, boa viagem, as mínguas como você, podem ir juntos! Pois temos outras empresas no setor florestal, como Berneck, Sudati… Uma empresa que não respeita as comunidades vizinhas e a vizinhança, onde atua, já devia ter se mudado, acredito que você não utilize estradas rurais onde a empresa atua, como fica o transporte escolar? Transporte de pessoas idosas que moram no interior? A região se vira muito bem, pois da forma que esta empresa vem atuando, não esta trazendo beneficio nenhum para a região e sim prejudicando muita gente.

  3. Jackson de Abreu

    Isso é uma vergonha um desrespeito com o homem do campo. Destruir as estradas e deixar todos ilhados, sem conseguir sair de casa, quem vai pagar o conserto dos carros pequenos que ficam destroidos, quando passam por estes forjes? A estrada é um bem de todos e não de uma empresa que vem operando de forma incorreta, pensando que é dona de tudo e de todos. Imagine a dificuldade para as crianças conseguirem sair de casa para ir estudar, se o onibus escolar cair dentro de um buraco desses ficam atolados por horas, com o onibus cheio de crianças.
    Ai vem um sem noção que não conhece da situação como esse GABRIEL, defender uma empresa que não tem respeito nenhum com os moradores, cara o seguinte se coloca no lugar desse pessoal que mora no interior, as dificuldades que eles estão passando, pelo que vejo se essa empresa for embora, ao menos acaba com o deserto verde da região, quem conhece uma área onde eles cortam as florestas vai ver, a imagem de um deserto! GABRIEL PEGA UMA CARONA E VAI JUNTO COM ESSA EMPRESA, TANTO VOCÊ COMO ELA NÃO FAZEM FALTA PARA NOSSA REGIÃO! NOSSA REGIÃO SE VIRA MUITO BEM SEM ESSA EMPRESA QUE NÃO RESPEITA VIZINHANÇA E SÓ CAUSA IMPACTOS NEGATIVOS DE DESTRUIÇÃO E DESRESPEITO!

  4. Jean

    Já se passou um ano desta reportagem, e muitos outros das promessas de asfaltamento desta “Rodovia”, e resumindo estrada continua a mesma vergonha… É incrível o descaso tanto do poder público como da própria Klabin que não se acordam em proceder c/ a devida infraestrutura do trecho…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *