segunda-feira , setembro 25 2017
Home / Cotidiano / Índios Charrua vindos do RS acampam no Terminal Rodoviário

Índios Charrua vindos do RS acampam no Terminal Rodoviário

Um grupo de 20 índios Charrua deixaram sua aldeia para vir para Lages, “uma cidade que a gente gosta muito”, disse o Cacique Emílio, que lidera o pessoal, para o repórter Jotta Damasceno (Menina FM). O grupo está acampado no Terminal Rodoviário de Lages e veio de Tapejara – RS.

Tem adultos, crianças e adolescentes, que vieram vender artesanato. “A gente gosta muito da cidade, pois aqui o povo é bom e compra bastante”, ressaltou o cacique.

Turismo indígena

Aliás, essa peregrinação indígena parece ter a ver com o órgão nacional, a Funai, pois o cacique comentou que eles pagaram as passagens, mas o órgão subsidia a alimentação, mandando dinheiro para as prefeituras. Esse turismo indígena acontece pelo país afora, pois a imprensa da Capital tem relatado situação semelhante em Florianópolis.

Dança da Chuva

O repórter Jotta Damasceno se inteirou no grupo, tomando chimarrão e pedindo inclusive para que os índios fizessem uma dança para parar de chover, porém o cacique disse que não tinha esse conhecimento (sem comentários…).

Fotos: Jotta Damasceno / Menina FM

Sobre Milton Barao

Veja também

Carreta dispara e deixa S. Helena sem luz

Mais um acidente daqueles envolvendo veículo sem motorista. Foi no final da tarde de sábado, …

2 Comentários

  1. Névio S. filho

    Jota Damasceno pisou na bola, pois dança da chuva é um costume das tribos americanas que habitavam o deserto central americano, pois isso que os indios desconheciam tal dança e além do mais nossos indios são culturados adotaram como norma para sobreviverem a cultura do homem branco. A FUNMAI desde a ditadura faz a tutela dos povos indígenas, por que antes de Cabral eles já habitavam aqui e é algo primordial de nossa cultura a preservação da cultura indígena. Estes indios são gaúchoe e lá a Funai possui um alcance social maior, subsidia passagens e alimentação, pois é uma fonte de renda para eles a venda e a comercialização de sua cultura. è claro que em Lages ainda somos atrasados e quem ver isso acha que são preguiçosos dormindo o dia todo, em Florianópolios há indios também que vendem seus artesanatos e não vejo turismo algum nisso, então os nossos passeios em Camboriú são o que, viagem de estudos ou algo que o valha, vou falar com o jornalista Névio Fernandes para em sua coluna do Correio Lageano fazer uma abordagem científica e cultural sobre a importância dos povos indígenas no sul do Brasil.

  2. Névio S. Filho

    Em Florianópolis ocorreu algo diferente de Lages, aqui na Capital os índios inocentemente vieram para vender os seus artesanatos, mas acharam que teriam ou alguém iria dar estadia, alimentação e transporte para levá-los as praias e isso não ocorreu e estão embaixo de um viaduto, tudo isso porque são despesas altas e alguém terá de financiar isso, a Funai na capital é tão ínfima.Os índios que estão em Lages ao menos possuem uma pequena estrutura e a cidade de Tapejara é um nome indígena, observe que são povos que possuem uma dependência muito grande do governo e necessitam de quase tudo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *