quarta-feira , agosto 23 2017
Home / Meio Ambiente

Meio Ambiente

Um Leão Baio à espreita na Coxilha Rica

Como faz regularmente, na manhã desta quinta-feira, 17 de agosto, o Toninho Taxista fazia uma corrida, conduzindo o jornalista Paulo Ramos Derengoski, que tem propriedade num dos últimos recantos do mundo, a Coxilha Rica.

Assim que deixou a BR 116 e tomou a SC 390, que ainda é estrada de chão, logo na segunda curva, se deparou com um animal de grande porte. Não se intimidou, desceu do carro e pode avistar um “Puma das Américas”, ou o nosso legítimo Leão Baio.

Entre surpreso e extasiado diante do inusitado encontro, Toninho não se intimidou e sacou de seu celular, fazendo o registro do animal, que permaneceu todo “garboso”, como se estivesse fazendo pose para a filmagem.

E o resultado foi esse vídeo, que serve de documento histórico, mostrando ao mundo que a Coxilha Rica continua como um dos últimos redutos de uma natureza exuberante, inclusive com animais silvestres, como o Leão Baio.

 

Imagens: Toninho Taxista

Especial para #BM3 Comunicação Criativa

Tem 10 mil na fila esperando casa e Reuso quer diminuir

De acordo com cadastro da Habitação, Em Lages, existe mais de 10 mil pessoas cadastradas à espera da logística de distribuição. Projeto Reuso quer diminuir essa fila

Projeto Reuso já está em funcionamento no município, porém ganhou novo impulso a partir do lançamento oficial realizado na Prefeitura, nesta quarta-feira (16).

Com a participação e apoio do setor da construção civil, o prefeito Antonio Ceron reforçou o objetivo do processo, cuja ideia, com a reutilização de materiais como sobras de tintas, portas, janelas vasos sanitários, telhas, pias, material elétrico, entre outros, é a de favorecer a demanda de famílias em situação de vulnerabilidade social.

300 portas

“Para quem estiver construindo, a intenção é repassar os materiais imediatamente. Já temos, por exemplo, 300 portas doadas por uma empresa”, disse Samuel.

Fila de 10 mil

A concepção do projeto partiu da secretaria de Assistência Social e Habitação, em parceria com a iniciativa pública privada, através da participação do Sindicato da Construção Civil (Sinduscon) e as empresas associadas.

Em Lages, já existem mais de 10 mil pessoas cadastradas à espera da logística de distribuição. A origem dos materiais de reuso virá de demolições ou reformas de edificações de qualquer natureza. Conforme disse o prefeito AntonioCeron, o Projeto Reuso ganha dimensão a partir do envolvimento da sociedade, sem marca registrada, a não ser, Lages.

 

Fotos: Greik Pacheco e divulgação

Campanha Cidade Mais Limpa e a sujeira da cachorrada

O Trade de Comunicação da Acil, em parceria com outros órgãos, lançou na última semana uma oportuna campanha denominada “Minha Cidade Mais Limpa.

Material publicitário

A campanha é composta por anúncios para revistas, jornais, outdoor, spot para rádios, materiais para mídias sociais, banners e panfletos. Também serão realizadas algumas ações em escolas da rede pública e particular, mutirões de limpeza e distribuição de folhetos com informações da forma correta e segura do descarte de lixo e os horários de coleta.

E a cachorrada?

Por outro lado, diariamente temos visto a sujeira provocada pelos cães errantes e a prova concreta dessa situação, até constrangedora, é o que acontece na Praça da Catedral, onde diariamente a cachorrada afia as unhas nos canteiros, destruindo todos, isso sem falar na higiene.

As pessoas, que antes aproveitavam o sol da manhã para momentos de lazer e uma boa conversa, agora estão tendo de procurar outros locais, já que o fedor causa mal estar e acaba espantando todo mundo.

Ações para manter o Carahá como “cartão postal”

A  Avenida Belizário Ramos é um cartão postal da cidade com seus 600 Álamos e outras 400 espécies, incluindo chorões, araçás e outras espécies

Foto: Adailton Carmargo/Lages para Sempre

O problema é que álamos são árvores de grande porte, cujas raízes precisam de muito espaço, o que não acontece à beira do rio. “Por isso, frequentemente tem quedas dessas espécies, sendo que 30 delas já estão mapeadas para serem suprimidas”, explica o eng° Giovanni Tomazzelli Guesser, da Secretaria de Meio Ambiente.

Espécies nativas

No lugar delas serão plantadas outras espécies vegetais, que melhor se adaptam a esta área urbana e ao solo irregular do leito do rio. Giovani citou algumas espécies de árvores que bem se adaptam ao solo da calha do rio: ipê, cerejeira ornamental, aroreira salsa, chorão.

Eng° Giovanni Tomazzeli, no registro de Marcelo Pakinha

Replantio de grama

Paralelamente ao cuidado com as árvores, equips da secretaria estão efetuando o plantio de gramínea, às margens do rio Carahá, no trecho das obras de desassoreamento.

500 quilos de sementes para a forração das margens do rio. Foto: Marcelo Pakinha

Azevém

Inicialmente foram semeados 50 quilos de semente de azevém em uma extensão aproximada de 600 metros do leito do rio já desassoreada. Este mesmo trabalho será realizado trecho por trecho, ao longo dos 10km de extensão de todo o rio.

Engavetamento na D. Pedro por conta da cevada no asfalto

Por volta do meio-dia desta quarta-feira um caminhão toneleiro transitava pela Avenida Dom Pedro II quando teve sua frente interrompida bruscamente. Seu motorista também freou e, por consequência, a carga de cevada acabou derramando em certa quantidade na avenida.

Como é muito lisa, o risco de acidentes era iminente e foi o que acabou acontecendo com um pequeno engavetamento de três veículos, no inicio da tarde.

Mas logo chegou a turma da vassoura e dos Bobycat do Meio Ambiente, liderada pelo secretário Tchá Tchá, e fizeram uma faxina geral, deixando tudo limpinho novamente.

 

 

Imagens: pontoDOC/Jatir Fernandes e Marcos Abreu

Máquinas roncaram às 8h30min para desassorear Rio Carahá

Quando o prefeito Ceron assumiu em janeiro, passou a determinação de que só entregaria ordem de serviço se a empreiteira estivesse com o maquinário no local.

E foi assim na manhã desta segunda-feira, quando a Avenida Belizário Ramos parecia um canteiro de obras, tal o maquinario preparado para entrar em ação.

E exatamente às 8h30min o prefeito chegou ao local e as máquinas roncaram para o desassoreamento do Rio Carahá, desde o Triângulo até o Caça. O projeto, que está orçado em R$ 150 mil. O Governo do Estado liberou R$ 112.500, com contrapartida de R$ 37.500, da Prefeitura.

Imagens: Zé Remi, Paulo Marques e Greick Pacheco

No meio do lixo, um capacete de motoqueiro

Dando prosseguimento ao trabalho de limpeza do lixo doméstico que se acumula nas margens do Rio Carahá, a equipe da Secretaria de Serviços Públicos e Meio Ambiente fez questão de entregar pessoalmente para o secretário Tchá Tchá um presente.

Era um capacete de motoqueiro, que também foi descartado como se fosse material deteriorável, esquecendo que deve levar pelo menos alguns séculos para que a natureza faça sua parte…

Atualização dados Defesa Civil (terça-feira, 11h)

Acumulado de chuva nas últimas 72 horas: 131 mm

Rio Carahá 5 metros acima do nível normal

31 bairros atingidos pelas chuvas

20 pessoas desabrigas (estão no abrigo do bairro Habitação)

37 pessoas desalojadas (encaminhadas para casas de parentes e amigos)

426 pessoas afetadas pelas chuvas em toda cidade

Monitoramento dos morros e encostas, possíveis deslizamentos

Defesa Civil está trabalhando na orientação das pessoas que residem em área de risco para deixarem suas casas com segurança. A Defesa Civil de Lages dispõe de um caminhão baú para o transporte de móveis.

Rastro de destruição dos malacos na Frei Gabriel

Nem a chuva forte da madrugada de sábado foi suficiente para diminuir o vandalismo e o espírito de porco dos malacos. Eles deixaram um rastro de destruição na Rua Frei Gabriel, onde a maioria das lixeiras foi arrancada e destruída.

Azar deles e nosso também pois o dinheiro que poderia ser utilizado na compra de medicamentos nos postinhos terá de ser repartido para comprar novas lixeiras.

Fotos: Secretaria de Serviços Públicos e Meio Ambiente

Reforma do parquinho Creche Tia Bira, garante Tchá Tchá

No programa Bom Dia Lages desta quarta-feira, um dos assuntos debatidos era a informação de que os equipamentos do parquinho infantil da Creche Tia Bira haviam sido retirados pela secretaria de Meio Ambiente.

Coincidentemente o secretário Euclides Mecabô estava acompanhando o programa e foi até a ImagemTV, onde afirmou que o parque está sendo restaurado. “Inclusive os brinquedos, como as balanças que estavam quebradas foram levadas para a oficina para serem recuperadas, e assim que estiverem reformadas serão recolocadas, para alegria das crianças”, garantiu.

Plantando araucárias, assim como a Gralha Azul

Com a preocupação de manter a identidade lageana, como terra das araucárias, o Horto Municipal da Secretaria de Meio Ambiente começou hoje a produção de 200 mudas de Araucária.

A produção das mudas é um processo extremamente simples, assim como é a natureza. A semente (pinhão) é plantada em um copinho de terra adubada, e já na saída do inverno as mudas estarão prontas para serem plantadas, explica o eng° agrônomo Giovanni Tomazzelli.

Os locais escolhidos para o plantio das araucárias serão praças e logradouros públicos, e que sejam afastados de residências, e nem ao fluxo de veículos, como tem ocorrido com algumas árvores.

Foto: divulgação

Harmonia entre um pé de Uvaia e uma roseira

Ao passar pela Rua Hercílio Granzotto, de longe avistei um belo espetáculo da natureza. Era uma árvore cheia de flores rosas, que se destacavam na manhã cinzenta de terça-feira.

Pedi ajuda para o engenheiro agrônomo Giovanni Tomazzelli, que foi até o local e identificou como sendo uma árvore nativa da Serra, a Uvaia, mas só com uma curiosidade a mais.

Uma roseira multiflores, que se alastrou por toda a copa da árvore, fazendo uma simbiose harmônica entre o verde e as pequenas flores.

Compensação pelo corte da Araucária da Cândido Ramos

 

A araucária da Rua Cândido Ramos tinha 90 anos e ainda era uma árvore sadia, pois segundo o eng° agrônomo Giovanni Tomazelli, essa espécie pode chegar a mil anos. O problema era sua localização, dentro de um lote, e os galhos, que constantemente despencavam lá do alto, e poderiam causar graves acidentes.

Ecochatos de boutique

É tanto que há 15 anos foi feito um “estaiamento” com cabos de aço, desses galhos. Porém agora não tinha mais como mantê-la em pé, e por isso foi autorizado do corte. Aliás, corte esse que deveria ser uma rotina, porém tem muito ecochato de boutique que não sabe que existe a compensação ambiental.

Programas sociais

Essa árvore agora vira tabuas para a Secretaria de Assistência Social e Habitação e também para a Secretaria de Meio Ambiente e seus projetos sociais, como urnas funerárias, abrigos nos pontos de ônibus e bancos nas praças. Já a compensação ambiental será através do plantio de 50 espécies nativas, ao longo do Rio Carahá.

 

Fotos: Milton Barão e Euclides Mecabô

Quase uma tonelada de lixo em duas horas de limpeza nas margens do Carahá

Enquanto algumas pessoas deixam um rastro de sujeira e lixo na Avenida Presidente Vargas e vândalos quebram os vasos da Catedral, tem gente preocupada com a limpeza das margens do Rio Carahá.

Foi o que fez o Sest/Senat, em parceria com a Secretaria de Meio Ambiente e Serviços, nesta segunda-feira, quando junto com alunos do Colégio Industrial, que atuam no projeto “Guardiões do Meio Ambiente”, foram limpar as margens do rio. Foi uma ação curta, com pouco mais de duas horas, mas que mesmo assim, num pequeno trecho, recolheu quase uma tonelada de entulhos.

Participantes

Participaram da ação: SEST/SENAT, Secretaria de Serviços Públicos e Meio Ambiente; alunos e professores do Colégio Industrial; escoteiros, e representantes das empresas Reunidas, RT, Transbev, Transmarcon, Dupla Química, Fabris e Binotto

 

Fotos: Greick Pacheco

Clareamento da água do Tanque com carpas

Cerca de 250 carpas, das espécies húngara, capim, pintada e cabeçuda foram soltas no Tanque, com intuito de manter a água transparente

Um processo de esgotamento e limpeza do Tanque do Parque Jonas Ramos seria moroso e com prejuízo de perda de muitos peixes ornamentais. “Por isso acatamos a sugestão de biólogos da Secretaria da Agricultura para fazer o povoamento de algumas espécies de carpas, que resultarão no clareamento da água”, explicou o secretário interino de Meio Ambiente, Euclides Mecabô, o TcháTchá.

Assim, na manhã desta sexta-feira, técnicos estavam soltando mais de 250 carpas, das variedades húngara, cabeçuda, pintada e capim. Essas espécies se alimentam de plâncton, “que são aquelas espécies de algas que dão a coloração esverdeada, dando a impressão de água suja. Elas mesmas farão a limpeza”, comentou Nelson Beretta, da Secretaria de Agricultura.

Fotos: divulgação