Coletiva

Após a confirmação de óbito por doença meningocócica de uma estudante de 18 anos, caloura do curso de Medicina Veterinária do Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV/Udesc), a Diretoria de Vigilância Epidemiológica, da Secretaria de Estado da Saúde, e a Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal da Saúde, organizaram uma coletiva de imprensa com objetivo de prestar esclarecimentos à comunidade.

Estavam presentes o Gerente Regional da Saúde, Aluisio Pirolli, a Responsável Técnica pelas Meningites da Secretaria de Estado, Gisele Barreto, a Diretora de Atenção Básica da Secretaria Municipal da Saúde, Francine Formiga, a Gerente de Imunização e Doenças Imunopreveníveis da Dive, Lia Coimbra, o Diretor Geral do CAV, Clóvis Gewehr e o Diretor de Ensino da Graduação, professor André Thaler Neto.

Meningite

A paciente morreu na sexta-feira (5 de abril) e o diagnóstico foi confirmado pelo Laboratório Central de Saúde Pública após exames que identificaram como agente causador da morte a bactéria Neisseria meningitidis, agente causador de infecção generalizada (meningococcemia).

A morte ocorreu em menos de 12h após a paciente apresentar os primeiros sintomas. “Não se trata de meningite, pois a doença evoluiu tão rápido que nem chegou a causar inflamação nas membranas que revestem o sistema nervoso central, ou seja, não atingiu as meninges”, esclarece Gisele Barreto, Responsável Técnica pelas Meningites da Secretaria de Estado.

Internamento

A primeira entrada da paciente no Pronto Atendimento Tito Bianchini foi na quinta-feira (4), onde foi atendida com os seguintes sintomas: febre alta e dor no ouvido. Após exames físicos, constatou-se que não havia nenhuma inflamação no ouvido, foi medicada com antitérmicos e, após apresentar melhora foi liberada por volta das 2h.

Em casa a situação se agravou, com vômitos, diarréia, falta de ar e também observou estar com manchas pelo corpo. Às 4h chamou o Samu e retornou ao Pronto Atendimento, onde teve a primeira parada cardíaca, entre 5h e 7h40min e foi a óbito às 10h de sexta-feira (5).

Aula normal, sem riscos

As aulas no CAV seguem normais. Nesta terça-feira (9) profissionais das Vigilâncias Epidemiológicas do Estado e do Município ministrarão palestras com objetivo de esclarecer a evolução da doença e minimizar o pânico entre os universitários. “Não há riscos para os estudantes, que podem frequentar as aulas normalmente. As providências já estão sendo tomadas com aqueles que tiveram maior contato com a aluna que faleceu. Estamos profundamente tristes com o ocorrido, mas a rotina precisa seguir em frente”, comenta Clóvis Gewehr, Diretor Geral da instituição.

Com informações: DIVE/SC e Secretaria Municipal de Saúde

Fotos: reprodução Facebook e divulgação

#BlogdoBarão

1 COMENTÁRIO

  1. Como sempre, quando se vai no pronto socorro, seja qual for, só dão antitérmico ou buscopan na veia. Quando não muito, um rivoltril…
    Uma vez foi, me colocaram na parte de dentro para fazer uma injeção. Era um antialérgico. Fiquei esperando, não vinham, pensei, antes que me matem, vou embora…Foi o que fiz…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here