=====================

Uma guaribada no Terminal

O Terminal Urbano está fechado desde o dia 18 de março, por conta da proibição do transporte coletivo em SC, e parece que não tem previsão de voltar. Então, bem que poderia ser dado uma repaginada naquele “monstrengo”, pois desconheço lugar mais feio na cidade…

=====================

Panfletagem anônima

Em setembro do ano passado, o então secretário Samuel Ramos fez uma “prestação de contas” com a distribuição de panfletos, com autorização da Justiça Eleitoral, afirmou. Mas nesta semana os tais panfletos voltaram a circular. Deve ser coisa de adversários…

=====================

Corona vídeos

É deprimente assistir o Jornal do Almoço da NSC, principalmente nesses tempos de quarentena. Criaram um quadro chamado “corona vídeos”, onde os expectadores mandam suas produções caseiras, mas chega a ser deprimente, de tão ruim.

=====================

Saudade não tem idade

Pior que isso, só a tal correspondente em Brasília e seu gato na tela analisando as coletivas do presidente da República. Chega a dar saudade da falecida RBS de Joaçaba e aquele repórter com seu caderninho na mão, fazendo cobrança de esgotos a céu aberto em Lages…

=====================

Concorrência fraca

Mas essa ruindade não é privilégio da afiliada global, pois na concorrência a situação é a mesma. Na afiliada do SBT, um jornalista metido a dar sermão, enquanto na ND, um misto de jornal com “o povo na tv”.

=====================

Coloca triagem nas filas

Que estranho a Caixa deixar acontecer essas filas quilométricas em suas agencias, Brasil afora e nas três agências de Lages. para reduzir pela metade, bastava colocar estagiários a fazer a triagem, pois tem gente lá que busca apenas informação se tem direito ao 600…

=====================

 

E segue o mate!

#BlogdoBarão

6 COMENTÁRIOS

  1. Não assisto estes jornais, virou moda como lives e tudo vira um lixo, concordo com a reforma do terminal, quando criança brincava nas quadras que haviam lá.

  2. Se tem gente que precisa sair da sua casa e se dirigir até a agência para ver se possui direito ao benefício o problema não está na caixa e, sim, na própria pessoa.
    O poder público não tem como pegar na mão de cada pessoa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here