O Governo do Estado emitiu decreto delegando autoridade aos prefeitos de SC para que fizessem as intervenções nos setores da cadeia produtiva e de atividades do turismo.

E assim, agindo dentro da legalidade, as prefeituras de Urubici e Rio Rufino publicaram decretos estabelecendo a ocupação de 70% da capacidade das atividades exercidas por hotéis, pousadas, albergues e estabelecimentos do gênero.

De imediato o Ministério Público entrou em ação sinalizando que caso não fosse cancelado tais decretos, os prefeitos Antoni Zilli e Thiago Costa estariam sujeitos a ações judiciais. O MPSC exige que a ocupação seja de 50%.

Por conta dessas ameaças do MP em frear a economia da região, num setor tão necessitado de apoio, não restou outra alternativa aos prefeitos da Amures, inclusive Lages, em se manter no limite de 50% de ocupação dos leitos de hotéis e similares.

E prosseguem as tratativas junto ao Governo do Estado para que ao invés de botar freio na economia, que libere o setor de Turismo, dentro das normas de segurança estabelecidas pela Secretaria de Estado da Saúde.

Assembleia Amures aprova 70%, mas…

Aprovado pelos prefeitos da Amures em assembleia extraordinária na quarta-feira (10), a lotação de até 70% da capacidade das atividades de hotéis, pousadas, albergues e estabelecimentos do gênero, foi pactuada nesta sexta-feira(12), em reunião extraordinária dos integrantes da Comissão Intergestora Regional- CIR.

Validação do COES

Para ser validada, a decisão ainda precisa de parecer técnico do Centro de Operações de Emergência em Saúde – Coes, responsável pela coordenação das ações de resposta às emergências em saúde pública.

A decisão dos membros da CIR, foi baseada em orientações do Ministério do Turismo através do protocolo para prevenção da Covid-19 e considerando a situação de casos confirmados na região até esta sexta-feira, que somam 276.

 

 

Fonte: MPSC e Amures

#BlogdoBarão

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here